Quarta, 06 de Julho de 2022
Anúncio
Tecnologia Amazonas

Sedecti e SEC discutem sobre economia criativa como vetor de desenvolvimento do Amazonas

24/05/2022 às 21h26
Por: Revista START Fonte: Secom Amazonas
Compartilhe:
Foto: Reprodução/Secom Amazonas
Foto: Reprodução/Secom Amazonas

Titulares das pastas reuniram-se para tratar sobre diversificação e inovação na geração de postos de trabalho e renda no estado

Os secretários titulares de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti) e da Cultura e Economia Criativa (SEC), Angelus Figueira e Marcos Apolo, reuniram-se nesta terça-feira (24/05) para discutir sobre novos vetores de desenvolvimento econômico e a geração de postos de trabalho e renda no estado. O secretário executivo de desenvolvimento, Valdenor Cardoso, também participou do encontro.

Segundo Angelus Figueira, informações da Organização das Nações Unidas (ONU), apontam a economia criativa como um dos setores que mais cresce no âmbito global. O que ocorre em função do poder inclusivo, sustentável e transformador motivado pela criatividade e cultura de inovação.

O desenvolvimento da economia criativa protagonizado pelo governo do Amazonas, através da SEC, será divulgado no Fórum de Discussão Permanente que ocorrerá no mês de junho, em Manaus.


“Por orientação do governador Wilson Lima, estamos organizando um Fórum de Discussão Permanente e, além dos potenciais que temos, vamos focar em vetores que possam, não só turbinar nossa economia, mas fortalecer caminhos, como o turismo. E a SEC vem trabalhando, com muita competência, um dos vetores que a gente considera fundamental no Amazonas, que é a economia criativa”, avalia Figueira. 

Para o secretário de cultura, o evento será uma oportunidade de compartilhar com outros setores e atores do desenvolvimento econômico do estado, não só números, mas as ações desenvolvidas pela SEC que geram economia informal também. 

“A economia criativa provoca renovação no mercado de trabalho. Ela está em todas as manifestações da indústria cultural do Amazonas. E a cultura gera conteúdo de consumo, de bens, de serviço. Neste sentido, quanto mais criativos e inovadores formos, mais negócios e renda podemos provocar”, opina Apolo. 

Protagonismo

Na opinião de Marcos Apolo, é preciso pensar a cultura não somente como um setor de manifestação artística, mas como um vasto terreno de possibilidades profissionais. 

“E o Amazonas vem potencializando isso, através dos postos de trabalho gerados em produções culturais, empregos formais como dos serralheiros, aderecistas, costureiros, além de aquecer o turismo e o comércio no estado”, justifica.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.